CO2

“Mudança climática já é irreversível”, diz relatório da ONU

A mudança climática é uma realidade e já se tornou irreversível. A conclusão é de um grande relatório da Organização das Nações Unidas (ONU), que será publicado oficialmente em novembro, mas que vazou para a imprensa nesta semana. “A emissão contínua de gases de efeito estufa provocará um maior aquecimento e, de longo prazo, mudanças em todos os componentes do sistema climático, aumentando a probabilidade de um impacto severo, generalizado e irreversível para as pessoas e os ecossistemas”, diz...

Leia mais...

Crescimento populacional leva à aquecimento e extinção

Demorou cerca de 200 mil anos para os humanos chegarem a uma população global de um bilhão. Mas, em duzentos anos, multiplicamos isso por sete. Na verdade, nos últimos 40 anos, acrescentamos um bilhão a mais a cada doze anos, aproximadamente. E as Nações Unidas preveem que acrescentaremos outros quatro bilhões – para um total de 11 bilhões – até o final do século. Apesar disso, poucos cientistas, legisladores ou mesmo ambientalistas estão dispostos a conectar publicamente o incrível...

Leia mais...

Concentração de CO2 na atmosfera fica acima das 400ppm por três meses consecutivos

Abril e maio tiveram concentrações médias de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera acima das 400 partes por milhão (ppm), e já se pode afirmar que junho repetirá a marca, fazendo destes três meses um recorde histórico que não encontra paralelo nos últimos 800 mil anos, pelo menos. Os dados são do Instituto Scripps de Oceanografia, da Universidade de San Diego, que monitora a estação de Mauna Loa, no Havaí, uma das mais importantes do mundo. O Instituto alerta ainda para a velocidade com que...

Leia mais...

28 sinais de que o planeta está em perigo

Águas contaminadas, ar poluído, solo degradado, desequilíbrio ecológico, clima em transe...Os alertas são claros: o mundo agoniza — e nós também O dia 5 de junho foi o Dia Mundial do Meio Ambiente. Para nós, urbanoides, pode parecer algo distante e vago. Há tempos, a humanidade se distanciou da natureza a ponto de se julgar autosuficiente e independente do meio ambiente. Mas o ritmo das transformações pelas quais o mundo vem passando está se acelerando e seria um perigo ignorar isso. É...

Leia mais...

Imprensa ainda ajuda a disseminar confusão sobre as mudanças climáticas

Levantamento em seis países mostra que oito em cada dez reportagens sobre o aquecimento global têm como pauta o ceticismo climático, apesar de a comunidade científica, em sua maioria, apoiar a teoria. * O jornalismo tem um papel muito importante na conscientização da sociedade sobre as consequências das mudanças climáticas ao “traduzir” estudos científicos para que os cidadãos saibam o que já está acontecendo ao seu redor e quais serão os impactos em suas vidas caso nada seja feito para...

Leia mais...

Relatório adverte sobre futuro sombrio do clima

Secas, inundações, conflitos, perdas econômicas cada vez mais profundas. Este é o cenário que aguarda o planeta caso não se reduzam as emissões de dióxido de carbono (CO2), advertem cientistas da ONU em seu próximo relatório sobre o aquecimento global. O rascunho do próximo informe do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), ao qual a AFP teve acesso, faz parte de um amplo estudo que contribuirá para determinar políticas e orientar negociações nos...

Leia mais...

Os Dez Mandamentos do “Amigo do Planeta”

*Vilmar Berna 1 - Só Jogue Lixo no Lugar Certo É horrível quando a gente vê alguém jogando lixo no chão. As ruas, praças e qualquer logradouro público não são terra de ninguém, mas pertencem a todos. Você não jogaria lixo na casa de alguém, jogaria? Pois é, a rua pertence a todos, tem muitos donos. O lixo espalhado, além de atrair ratos, moscas, mosquitos, cria um aspecto horrível de poluição em sua cidade. E, depois, custa muito dinheiro de impostos para limpar, dinheiro que podia estar...

Leia mais...

7 milhões de mortes associadas à poluição

Cerca de 7 milhões de pessoas morreram em 2012 por exposição à poluição do ar, que se transformou no maior fator de risco ambiental para a saúde no mundo, alertou nesta terça-feira (25) a Organização Mundial da Saúde (OMS). Segundo os novos dados divulgados nesta terça-feira, uma em cada oito mortes naquele ano foi causada pela exposição à poluição do ar, dado que duplica números anteriores e confirma que a poluição do ar é agora o maior fator de risco ambiental para a saúde humana. Reduzir a...

Leia mais...

A erosão do sentido da vida e as manifestações de rua

“(...) nossos desafios ambientais, econômicos, políticos, sociais e espirituais estão interligados”; é esta interligação real mas, em parte inconsciente, que leva milhares às ruas querendo outro mundo possível e agora necessário. Está lentamente ficando claro que as massivas manifestações de rua ocorridas nos últimos tempos no Brasil e também pelo mundo afora, expressam mais que reivindicações puntuais, como uma melhor qualidade do transporte urbano, melhor saúde, educação, saneamento,...

Leia mais...

Curtas ambientais de junho e julho.

deriram à “Marcha Contra Monsanto”, no dia 25 de maio, como forma de protesto contra a manipulação genética e a monopolização do mercado da multinacional de agricultura e biotecnologia sediada nos EUA. Muitas investigações científicas demonstram que os transgênicos ou alimentos geneticamente modificados (OGM) podem conduzir a problemas como tumores cancerígenos, infertilidade e defeitos genéticos. Por incrível que pareça nos EUA, a FDA, que é a entidade encarregada de garantir a segurança...

Leia mais...

Planeta entra em zona de perigo com a maior concentração de CO2 da história

A concentração de dióxido de carbono (CO2) na nossa atmosfera superou, pela primeira vez, a marca de 400 partes por milhão (ppm). Assim, a Terra está entrando em uma “zona de perigo”, advertiu a ONU “O mundo tem que acordar e perceber o que isto significa para a segurança dos seres humanos, para seu bem-estar e seu desenvolvimento econômico”, completa a secretaria executiva da entidade, Christiana Figueres, que destacou que “ainda existe uma oportunidade para evitar os piores efeitos da...

Leia mais...

Um mundo mais quente é um mundo com fome

Os preços dos alimentos dispararão e centenas de milhares de pessoas morrerão de fome se não se agir com urgência para concretizar reduções importantes nas emissões derivadas da queima de combustíveis fósseis. Por Stephen Leahy, da IPS, publicado pela Envolverde. Segundo cientistas e ativistas, este deveria ter sido um dos principais assuntos na 18ª Conferência das Partes (COP 18), convenção das Nações Unidas sobre Mudança Climática, realizada no Catar, entre 26 de novembro e 8 de...

Leia mais...

Impactos negativos ao meio ambiente custam US$ 4,7 trilhões por ano

A iniciativa Economia dos Ecossistemas e Biodiversidade, Teeb, calcula que os 100 principais fatores de impacto negativo ao meio ambiente custam, por ano, US$ 4,7 trilhões, ou mais de R$ 9 trilhões, para a economia mundial. A queima de carvão para geração de energia no leste da Ásia gera um gasto de US$ 453 bilhões por ano e lidera o ranking. Já a criação de gado na América do Sul é a segunda principal causa das perdas econômicas. O relatório da Teeb, parceira do Programa da ONU para o Meio...

Leia mais...

Avaliações econômicas subestimam impactos de mudanças climáticas

O economista Lorde Stern admite ter subestimado custos e riscos Lorde Stern publicou primeiro relatório com avaliação sistematizada de prejuízos e custos de adaptação à mudanças climáticas, conhecido como relatório Stern A mudança climática parece muito mais ameaçadora do que há seis anos, e o mundo marcha na direção de um aquecimento de 4 graus celsius até o fim do século em relação à era pré-industrial, declara o Lorde Nicholas Stern, professor de economia e diretor do Instituto Grantham...

Leia mais...

Mudanças climáticas afetam previsões astrológicas dos índios

As previsões que os índios da Amazônia brasileira fazem com a ajuda dos astros para determinar o melhor momento para plantar ou pescar, entre outras atividades, se veem afetadas pelas mudanças climáticas, segundo constatou um estudo realizado com diferentes etnias indígenas no Brasil. “Os xamãs passaram a se queixar que suas previsões estavam perdendo a exatidão e, a partir dessas indagações, descobrimos que alguns fenômenos provocados pelas mudanças climáticas afetavam seus cálculos”,...

Leia mais...

Catástrofes naturais e humanas custaram US$ 186 bi em 2012

As catástrofes naturais e humanas custaram US$ 186 bilhões em 2012, segundo um estudo publicado nesta quarta-feira pela companhia de seguros suíça Swiss Re. As perdas seguradas chegaram a US$ 77 bilhões, fazendo de 2012 o terceiro ano mais caro na história dos seguros, informou o grupo suíço em um comunicado. O total é, no entanto, inferior ao de 2011, marcado por um número recorde de terremotos e também pelo tsunami que atingiu a costa do Japão. Em 2011, as perdas seguradas foram de US$...

Leia mais...

FMI pede o fim dos US$ 1,9 trilhão em subsídios para os combustíveis fósseis

28/03/2013 Segundo o estudo "Reforma nos Subsídios da Energia – Lições e Implicações" (Energy Subsidy Reform – Lessons and Implications), divulgado oficialmente nesta quarta-feira (27) pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), os países estão destinando anualmente quase 2,5% do PIB mundial para subsidiar os combustíveis fósseis, dinheiro que a entidade afirma seria mais bem empregado para garantir o crescimento sustentável e medidas de adaptação e mitigação às mudanças...

Leia mais...

Estudo sugere que aquecimento global está acelerando

27/03/2013 Algumas pesquisas recentes indicam que o aquecimento global estaria reduzindo seu ritmo nos últimos 15 anos e entrando em um equilíbrio, o que constantemente é usado pelos céticos climáticos para ‘aliviar’ a situação das mudanças climáticas. Mas um novo estudo aponta que, na verdade, o fenômeno não está diminuindo seu ritmo, mas sim acelerando. A análise mostra que a falsa impressão de que o aquecimento global estaria reduzindo é devido ao fato de que a maioria das pesquisas...

Leia mais...

Clima precisa de menos discussões na ONU e mais ações de mercado, defende União Europeia

Menos conferências das Nações Unidas e mais incentivos através da precificação do carbono poderiam acelerar os esforços internacionais para reduzir o ritmo do aquecimento global, defende uma minuta da Comissão Europeia vista pela Reuters. As discussões sob a ONU ainda precisam se recuperar do desastre que foi a conferência de Copenhague em 2009, quando as negociações falharam e os encontros subsequentes foram altamente criticados por se arrastar semanas a fio e ainda assim evoluir pouco. A...

Leia mais...

Reservas de energia alternativa no Brasil e nos Estados Unidos podem ser maiores do que as de combustível fóssil

20/03/2013 Quando se compara as energias renováveis às fontes fósseis, é muito comum considerar a capacidade e a geração atuais das energias limpas, enquanto que em se tratando dos combustíveis fósseis, o usual é levar em consideração também a possível contribuição para as futuras décadas. De fato, é difícil mensurar e comparar o potencial entre renováveis e fósseis. Mas pela primeira vez, um novo estudo da Bloomberg New Energy Finance (BNEF) colocou o potencial de energias fósseis e...

Leia mais...