02/05/2013 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Um mundo mais quente é um mundo com fome

Os preços dos alimentos dispararão e centenas de milhares de pessoas morrerão de fome se não se agir com urgência para concretizar reduções importantes nas emissões derivadas da queima de combustíveis fósseis.

Por Stephen Leahy, da IPS, publicado pela Envolverde.

Segundo cientistas e ativistas, este deveria ter sido um dos principais assuntos na 18ª Conferência das Partes (COP 18), convenção das Nações Unidas sobre Mudança Climática, realizada no Catar, entre 26 de novembro e 8 de dezembro de 2012.

As emissões de carbono já estão alterando o clima mundial, tornando muito daninhos alguns eventos extremos como secas, tempestades e inundações. Sabemos que a agricultura e a produção de alimentos são muito vulneráveis aos impactos da mudança climática, segundo diversos estudos científicos. - “É muito estranho o facto de não darmos ênfase à segurança alimentar”, disse Michiel Schaeffer, cientista do Climate Analytics, à IPS. “Não há dúvida de que a mudança climática representa um risco importante para a nossa capacidade de produzir alimentos”, advertiu.

A Climate Analytics e o Potsdam Institute for Climate Impact Research elaboraram para o Banco Mundial o estudo “Reduzir o calor: por que se deve evitar um aumento de quatro graus centígrados da temperatura mundial”, o qual alerta que muitas partes do mundo não poderão cultivar alimentos se as temperaturas planetárias aumentarem quatro graus. O informe também alerta que a humanidade segue rumo a um mundo quatro graus mais quente, no qual haverá ondas de calor sem precedentes, secas severas e inundações importantes, com sérios impactos sobre os ecossistemas e a agricultura.

A temperatura do solo aumentará, em média, entre quatro e dez graus, o que o tornará extremamente quente para muitas culturas alimentares cruciais. Grandes partes de África, China, Índia, México e sul dos Estados Unidos reduzirão a sua produção por esse motivo, destacou Schaeffer. Também haverá mudanças significativas nos padrões de chuvas e maiores níveis de evaporação. Com apenas 0,8 graus de aquecimento já houve secas generalizadas, inundações e outros eventos extremos vinculados à mudança climática. Os preços dos alimentos dispararão, já que grandes áreas do cinturão produtor nos Estados Unidos foram afetadas este ano por uma seca.

No futuro, cada vez que houver eventos extremos em áreas produtoras de alimentos, os preços dos mesmos voltarão a subir, enfatizou Schaeffer. As investigações mostram que, mesmo com dois graus de aquecimento, haverá sérios problemas de produção alimentar nos planos regionais. Se as temperaturas forem além de três graus, tornar-se-á um problema mundial. Sem reduções importantes nas emissões derivadas de combustíveis fósseis, um mundo entre três e quatro graus mais quente enfrentará ao mesmo tempo um enorme aumento da população. “Isto será catastrófico”, acrescentou.

Negociações não avançam

As negociações estão “a milhões de milhas de onde necessitamos estar para inclusive ter uma pequena possibilidade de impedir uma mudança climática descontrolada”, disse Lidy Nacpil, da Jubilee South Asia Pacific, uma rede de organizações para o desenvolvimento, de inspiração religiosa. “Não podemos voltar aos nossos países e dizer que permitimos que isso ocorresse, que condenamos o nosso próprio futuro”, lamentou Nacpil num comunicado, referindo-se às negociações na COP 18.

Seyni Nafo, do Mali e porta-voz dos negociadores africanos, declarou num comunicado: “Os negociadores africanos levam as mãos à cabeça em gesto de desespero, e perguntam por que deveriam ter-se preocupado em participar das negociações se os países industriais continuam a arrancar-nos mais exigências em troca de nenhum dinheiro ou compromisso. Este cinismo está no seu ponto mais duro nas negociações agrícolas”.

Sem maiores reduções nas emissões, isto prejudicará a nossa capacidade de cultivar alimentos, disse Meena Raman, especialista em negociações da Rede do Terceiro Mundo, da Malásia. “Em Doha, ainda há uma oportunidade de lutar por algo”, disse à IPS no dia 7. Uma coisa necessária é o prometido financiamento por parte das nações industrializadas para ajudar as menos adiantadas a enfrentar os efeitos da mudança climática e a fortalecer os seus sistemas de produção de alimentos.

- “As finanças para a adaptação são uma reivindicação crucial dos países em desenvolvimento aqui em Doha, nas negociações climáticas”, disse Doreen Stabinsky, professora de política ambiental no College of the Atlantic. “Sem adaptação é provável que a produção alimentar mundial sofra perdas entre 14% e 30% nas três culturas principais de primavera: trigo, milho e soja”, pontuou Stabinsky. Mesmo agindo rapidamente em matéria de adaptação, de todo modo haverá perdas entre 4% e 26%.

A diversidade e o papel dos agricultores regionais

É necessário começar a aumentar a diversidade de culturas agora, para criar resiliência diante das condições climáticas extremas que os agricultores começam a enfrentar, afirmou Teresa Anderson, da Fundação Gaia, sócia britânica da Rede Africana para a Biodiversidade. Os agricultores tradicionais têm centenas de tipos diferentes de sementes para diferentes condições, mas frequentemente estas são deixadas de lado, priorizando soluções tecnológicas para a segurança alimentar, como sementes híbridas e geneticamente modificadas, disse à IPS. “Estes agricultores podem ter uma tremenda diversidade, inclusive, dentro da mesma variedade de milho, uma que germine antes ou floresça depois”, acrescentou.

Esse tipo de diversidade aumenta em boa parte as dificuldades de se obter uma colheita decente, enquanto os modernos enfoques monoagrícolas têm êxito apenas em certas condições. O segundo enfoque é o que levam adiante os grandes negócios agropecuários e os governos. Se para eles vai bem, não há dúvida de que será um enorme fracasso sob as condições extremas da mudança climática, ressaltou Anderson. “Não consigo entender por que as nações industrializadas reunidas em Doha não veem a urgência de tudo isso”, acrescentou.

Por: IPS / Envolverde